AdministraçãoArtigos

Plano Safra 2020/2021: Maior crédito, menor taxa e mais tecnologia!

Plano Safra 2020/2021: Novidades, linhas de crédito, tecnologia, aplicativos e muito mais.

Por: Carina Oliveira e Oliveira

Segundo Cepea, o agronegócio foi responsável por 23% do PIB nacional em 2019. Mesmo em tempos de crise, o agro não para, e continua fortalecendo a economia do país.

Para alavancar ainda mais o agronegócio, o Plano Safra 2020/21 vem com inúmeras linhas de crédito para te auxiliar nesse momento delicado.

Por isso, separamos para você informações sobre as linhas de crédito e suas taxas, e como você pode obter esse crédito para sua propriedade, confira!

Plano safra 2020/2021: novidades

Lançado no último dia 17 de junho, o plano safra já está em vigor. E as linhas de crédito podem ser contratadas de 1º de julho deste ano a 30 de junho de 2021. 

O foco do plano safra 2020/2021 é fomentar políticas sustentáveis no agronegócio e incentivar investimentos em inovação.

Buscando auxiliar o produtor rural, o plano-safra 2020/2021 chegou com redução nas taxas de juros e ampliação dos recursos disponibilizados.

Foram R$ 263,4 bilhões, com taxas de juros variando de 2,75 a 6% dependendo da linha de crédito.

Desse montante, o governo prevê que o Plano Safra financiará até R$ 179,38 bilhões para custeio na lavoura, comercialização e industrialização e R$ 56,92 bilhões para investimentos.

Na prática, você poderá utilizá-lo, por exemplo, para a renovação de frota para uso na colheita e aumento de capacidade de armazenagem.

Em relação ao ano anterior, o valor disponível para os produtores aumentou em 6%, ou seja, cerca de R$ 13,5 bilhões.

Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento  (MAPA), o volume do financiamento contribuirá para garantir a continuidade da produção no campo e o abastecimento de alimentos no país durante e após a pandemia do novo coronavírus.

Veja o volume de recursos em bilhões de reais disponibilizado pelo governo para as diferentes categorias de produtores:

Distribuição do volume de recursos do Plano safra 2020/21

(Fonte: Mapa)

Confira agora, as principais linhas de créditos e taxas de juros disponíveis.

Plano safra 2020/2021: Linhas de créditos e taxas de juros

Os recursos disponíveis para o plano safra 2020/2021, foram distribuídos em diversas linhas de crédito, focados principalmente em pequenos e médios produtores.

O Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), é destinado aos pequenos produtores, em que a taxa de juros é de 2,75 e 4% ao ano.

Para os médios produtores, a linha de crédito disponível é o Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp), com taxa de juros de 5% ao ano.

As cooperativas não ficaram de fora, pelo Programa de Desenvolvimento Cooperativo para Agregação de Valor à Produção Agropecuária (Prodecoop), com taxas de juros de 7%.

Também existe incentivo para a modernização, fomentando a aquisição de tratores, colheitadeiras, plataformas de corte, pulverizadores, plantadeiras, semeadoras e equipamentos para beneficiamento de café (Moderfrota).

Além disso, existem programas voltados para técnicas sustentáveis como o programa ABC: para que o produtor realizar adequações de sua propriedade para estar em conformidade com Código Florestal.

O Programa para Construção e Ampliação de Armazéns (PCA) destina o crédito a produtores e cooperativas rurais para construção, ampliação, modernização ou reforma de armazéns.

Para inovações tecnológicas nas propriedades os produtores podem pedir financiamento pelo Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica na Produção Agropecuária (Inovagro).

A Moderinfra é linha de crédito destinada ao desenvolvimento da agropecuária irrigada e proteção de cultivos, incluindo aquisição, implantação e recuperação de equipamentos.

Para a linha de crédito destinada a modernização e expansão da produtividade e conservação de recursos naturais, é a Moderagro.

Confira na tabela abaixo as principais linhas de crédito e suas taxas:

 Principais linha de créditos e suas taxas

(Fonte: Mapa)

Plano Safra 2020/2021: destaques

Agricultura familiar

Houve ampliação do limite de cobertura do Programa de Garantia de Preços para Agricultura Familiar (PGPAF) com custeio de R$ 5 Milhões e investimento R$ 2 Milhões;

Também a criação de uma nova linha de crédito específica o Pronaf-Bioeconomia que tem como base investimentos para produtos que respeitem a sociobiodiversidade, apoiando as cadeias produtivas da bioeconomia, incentivando produção e uso de bioinsumos.

Pequenos produtores podem financiar atividades de assistência técnica e extensão rural pela linha de crédito do Pronaf.

Bioinsumos

Produtores podem utilizar financiamento disponível para compra de bioinsumos, na modalidade custeio.

Investir em equipamentos para a produção dos bioinsumos ou montar uma biofábrica dentro da propriedade, pode recorrer a modalidade investimentos, nesse caso, o valor financiado pode chegar a 30%.

Todos esses recursos estão disponíveis na linha de crédito do Inovagro.

As cooperativas possuem as mesmas modalidades, na linha de crédito Prodecoop, assim como os pequenos produtores na linha do Pronaf-Bio.

Pecuária

Pela linha de crédito Inovagro, pode financiar equipamentos e serviços de pecuária de precisão, além de automação, adequação e construção de instalações, para setores da pecuária bovina e bubalina, de leite e de corte.

Pesqueiro e Aquícola

No setor pesqueiro e aquícola, houve ampliação da abrangência do crédito de comercialização, além de criar preços de referência para novas espécies de pescados e produtos da aquicultura.

Programa de seguro rural

Pensando nas adversidades que o produtor se depara, o Plano Safra 2020/21 aumentou o auxílio ao crédito para seguro rural em 30% em relação ao plano passado.

 Veja na tabela abaixo o valor e estimativa de área segurada.

Orçamento disponível e estimativa de área assegurada

(Fonte: Mapa)

Esse auxílio é muito importante para o produtor rural, especialmente em períodos de incertezas na economia devido a pandemia do COVID-19.

De janeiro a maio de 2020, o Banco do Brasil registrou aumento de 25% na contratação de seguros agrícolas.

O Plano Safra 2020/21 e suas tecnologias

Devido a pandemia do COVID-19, diversas empresas e negócios buscaram adotar novas tecnologias mantendo seus negócios abertos e facilitando o dia a dia das pessoas.

Pensando nisso, houve facilidade para obtenção de empréstimos do Plano Safra.

No Banco do Brasil (BB), por exemplo, o aplicativo do banco fornece a possibilidade de o produtor contratar empréstimos com apenas alguns cliques sem sair de casa.

Se você é produtor rural e possui conta no BB, verifique se está liberado a contratação do crédito pelo “app” de seu celular, veja no site do BB como é simples!

Outra novidade tecnológica lançado no Plano Safra 2020/21 foi o lançamento do aplicativo Programa de Seguro Rural (PSR).

A finalidade desse “app” é fornecer aos produtores acesso a informações sobre o mundo do seguro rural de forma consultiva. Veja suas funcionalidades e como é simples de usar!

Esse aplicativo foi desenvolvido com a parceria do Departamento de Gestão de Riscos do MAPA, os quais no plano de safra 2019/20 lançaram o “app” ZARC (Zoneamento Agrícola de Risco Climático) e o Plantio Certo, disponíveis para Android e iOS.

Conclusão

Neste texto você conferiu as mudanças da taxas de juros do Plano Safra 2020/21 em relação ao ano anterior.

O aumento de crédito para pequenos e médios produtores, assim como disponibilidade de crédito para utilizar em bioinsumos.

Ampliação de investimentos nos pequenos e médios produtores, com mais capital e menor taxa de juros.

Foco na sustentabilidade, incentivos para que a agropecuária brasileira possa produzir cada vez mais usando menos.

Além disso, o Plano Safra 2020/21 vem incentivar o crédito rural, lançamento o aplicativo PSR, com a finalidade de informar o produtor sobre seguros rurais.

Você sabia das novidades do plano safra 2020/2021? Adoraria ver seu comentário abaixo! 

Você sabia das novidades do plano safra 2020/2021? Adoraria ver seu comentário abaixo!

Carina Oliveira e Oliveira engenheira Agrônoma pela Universidade Estadual de São Paulo (UNESP), mestre em Sistemas de Produção pela pela mesma instituição. Doutora em Fitotecnia pela Universidade de São Paulo (ESALQ/USP).

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo