Clima e Tempo

Seca e geada levam à quebra de produção do milho safrinha

Entenda como os eventos meteorológicos provocaram uma redução de quase 21% na produção do milho safrinha (segunda safra) em 2021

A safra de 2020/2021 foi marcada por eventos climáticos desde o início de 2021, que trouxeram muitos desafios aos produtores.

Com isso, diversas culturas agrícolas sofreram com mudanças que prejudicaram o desenvolvimento e a produtividade nas lavouras.

O milho segunda safra, por exemplo, passou por seca e geada em um mesmo ano agrícola, o que refletiu diretamente em sua produção.

Confira o que aconteceu ao longo da safra, quais foram as consequências destes eventos, e o que pode ser feito para minimizar os prejuízos em safras futuras.

Milho safrinha (segunda safra) 2021 x eventos climáticos 

O milho segunda safra é semeado após a cultura de verão, geralmente, depois da colheita da soja, nos meses de janeiro a abril.

Os principais estados produtores são Paraná, São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Minas Gerais.

A época de semeadura depende da região de produção. Assim, em algumas regiões é possível semear a partir de fevereiro, devido a altas temperaturas em janeiro.

Porém, em regiões mais ao sul do país, a semeadura é recomendada até meados de fevereiro, pois há chances de ocorrer geada no final de maio.

No geral, quanto mais cedo for semeado o milho de segunda safra, menores  são os riscos de seca e geada na cultura.

Todavia, na safra 2020/2021, houve atraso na semeadura da soja devido à falta de chuvas o que, por consequência atrasou também a semeadura do milho segunda safra na maioria das regiões produtoras.

Com a semeadura tardia, o milho fica suscetível a veranicos no início do ciclo e época de floração, assim como em algumas regiões pode ocorrer geadas, prejudicando o desenvolvimento da cultura.

O impacto da seca no milho safrinha

O fenômeno climático responsável pelo atraso da semeadura da soja e veranicos no início do ano é a formação do La Niña.

Com isso, as regiões Centro-Sul do país sofreram com o déficit hídrico ocorrido de janeiro a maio e o Nordeste com chuvas favoráveis.

Neste ano, para o milho safrinha, houve escassez de água e má distribuição das chuvas, principalmente nas fases críticas do milho, como germinação e emergência e floração e enchimento de grãos.

Estas ocorrências foram principalmente nos estados do Mato Grosso do Sul, Paraná, São Paulo, parte de Goiás e Rio Grande do Sul e Minas Gerais.

Seca afetando a lavoura de milho safrinha (segunda safra)
Seca afetando a lavoura de milho segunda safra (Fonte: Canal Rural)

Os danos da geada no milho safrinha

Além da seca, a incidência de geadas nos estados do Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul e Goiás, também prejudicou o desenvolvimento e reprodução de muitas lavouras.

Isso porque, as geadas ocorridas no final do mês de junho e julho, afetaram grande parte das lavouras, queimando as folhas e prejudicando a fotossíntese e assimilação de nutrientes pelas plantas o que, por consequência,  interferiu na produção dos grãos.

Lavoura de milho safrinha (segunda safra) antes e após a geada
Lavoura de milho segunda safra antes e após a geada (Fonte: Monitoramento de geada 11 a 17/07 pela Conab)

Quantificando as perdas devido à seca e a geada no milho safrinha

O Brasil é um dos maiores produtores de milho do mundo, sendo este cereal produzido em três épocas no país.

A segunda safra, comumente chamada de safrinha, apresenta a época de maior produtividade do milho brasileiro.

Da safra 2015/2016 até a safra 2019/2020, a média de produção do milho segunda safra foi de 62.056 mil toneladas, sendo uma oportunidade de lucro para os produtores após a colheita da soja.

Para a safra de 2020/21 a expectativa de produção era de 79.799,40 mil toneladas, segundo o 8o levantamento da safra 2020/21 realizado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Entretanto, devido aos eventos climáticos ocorridos durante os meses em que as plantas estavam em campo, houve redução deste valor.

A colheita do milho safrinha teve encerramento mais tardio, devido à época de semeadura atrasada, e a produção chegou a 59.471,5 mil toneladas, 20,8% a menos em relação à safra anterior.

Produção dos últimos anos agrícolas de milho safrinha (segunda safra)
Produção dos últimos anos agrícolas de milho segunda safra (Fonte: Adaptado de Conab)

O déficit hídrico ocorrido em maio, afetando as plantações semeadas logo após a colheita da soja, e as geadas em junho prejudicando as lavouras semeadas fora do tempo ideal, foram as responsáveis por essa redução.

O Paraná esperava uma colheita de 14,6 milhões de toneladas deste cereal, e devido a seca e geadas a colheita será bem abaixo do esperado com 5,9 milhões de toneladas, segundo o Departamento de Economia Rural (Deral), essa redução se repetiu em São Paulo, Rio Grande do Sul e Goiás.

Algumas regiões sofreram com a estiagem quando as plantas de milho estavam entrando na fase reprodutiva, reduzindo a polinização, pois prejudica a formação e viabilidade dos grãos de pólen e dos estilos-estigmas.

Além disso, o efeito da seca e geada são refletidos na qualidade dos grãos produzidos, que ficam menores e mais leves.

O que fazer para tolerar estes eventos climáticos? 

O clima é um fator decisivo na produção agrícola, entretanto, é algo incontrolável pelos agricultores.

As intempéries climáticas causam sérios prejuízos nas lavouras, como visto anteriormente, e a pergunta que fica é: o que eu posso fazer?

Estar preparado é fundamental para suportar estas adversidades e contornar os prejuízos.

Neste sentido, acompanhar as movimentações das massas de ar, que indicam eventos como La Niña e El Niño, já são um indicativo de como podem ser as condições climáticas no ano.

Assim, o monitoramento climático é fundamental, pois quando são indicados a probabilidade de seca ou geada, algumas medidas podem ser adotadas com a finalidade de reduzir as perdas, como:

  • Não semear em locais que intensifique estes eventos, como exemplo é semear em baixada em ano de previsão de geadas;
  • Utilizar cultivares mais tolerantes a estes eventos climáticos;
  • Semear na época mais adequada;
  • Caso tenha irrigação, utilizar de modo consciente na seca, e na geada, reduzindo os seus efeitos nas plantas;
  • Preparar a cultura nutricionalmente, com o uso potássio, por exemplo, o que reduz o ponto de congelamento da seiva; ou até mesmo enxofre e silício.

Para auxiliar no monitoramento climático mais preciso da sua área, algumas tecnologias foram desenvolvidas, como as soluções digitais Agrosmart.

Com os sensores e uma estação meteorológica instalados nas áreas a previsão do tempo é mais assertiva, pois os dados coletados são analisados e fornecem informações em tempo real.

Assim, a coleta de dados e o monitoramento constante podem ajudar na gestão da sua lavoura.

Quer conhecer mais sobre os produtos da Agrosmart, clique aqui!

Conclusão

Em resumo, os eventos climáticos ocorridos em 2021 foram cruciais para a produção de milho na segunda safra.

Dessa forma, muitos estados apresentaram quebra de produção devido a seca e a geadas ocorridas em um mesmo ciclo de produção.

Por isso, é tão importante buscar formas de minimizar os efeitos das intempéries climáticas, e o principal é o conhecimento do clima.


Referências

CRUZ, J. C; PEREIRA FILHO, I. A.; DUARTE, A. P.. Milho safrinha. Embrapa. Disponível em: https://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/milho/arvore/CONT000fya0krse02wx5ok0pvo4k3mp7ztkf.html

Mostrar mais

Carina Oliveira

Engenheira agrônoma formada pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), mestre em Sistemas de Produção pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e doutora em Fitotecnia Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" (ESALQ/USP).

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo