Administração

Rastreabilidade: saiba como ela auxilia nos negócios da sua fazenda

Ferramenta essencial para a transparência, o uso da rastreabilidade na agricultura em todas as fases da cadeia produtiva tem sido cada vez mais cobrado no mundo

A rastreabilidade no agronegócio – do campo ao consumidor final – é um dos caminhos sem volta no setor e que só tende a ampliar mundo afora.

Ela faz parte das boas práticas de ESG (Governança Ambiental, Social e Corporativa, na sigla em inglês), pois é um meio de promover a transparência nos negócios e, no caso do setor agropecuário, comprovar a origem dos alimentos.

Implantar a rastreabilidade na agricultura, contudo, não é um processo tão fácil, sobretudo porque muitas vezes é preciso empenho de todos os envolvidos.

No Brasil, as regras para implantação da rastreabilidade estão na Instrução Normativa Conjunta (INC) nº 2/2018 e na Lei nº 12.097/2009, ambas do Governo Federal.

A rastreabilidade pode ser feita tanto por meio de documentos obrigatórios quanto com o uso de tecnologias que permitem o acesso a todas as informações sobre a cadeia produtiva. Acompanhe neste artigo!

Rastreabilidade no campo e evolução da sociedade

Saber a origem dos alimentos e em quais condições eles são produzidos é um direito de todo consumidor e, no mundo, é cada vez maior a consciência sobre isto.

A sociedade, em geral, se preocupa e não quer consumir alimentos oriundos de fazendas/empresas que praticam ou sejam coniventes com:

  • Desmatamento de florestas nativas;
  • Maus-tratos aos animais;
  • Desrespeito aos direitos humanos;
  • Trabalho infantil;
  • Trabalhadores em situação de exploração ou em condições análogas à escravidão;
  • Uso excessivo de agrotóxicos nos alimentos;
  • Uso excessivo/exploratório dos recursos naturais (água e solo);
  • Aumento das emissões de GEEs (gases de efeito estufa) na atmosfera;
  • dentre outras situações.

Isso porque, essas práticas são inadequadas em qualquer época da história da humanidade e hoje, na era do acesso à informação, a vigilância social sobre elas é cada vez maior.

Assim, não é tão difícil saber onde elas ocorrem, como são feitas e quem as pratica – se uma empresa local ou global.

E, para além disso, elas causam alterações no mundo que vão desde a piora na saúde das pessoas até as mudanças climáticas, que este ano no Brasil prejudicaram bastante o setor agrícola, com intensas secas e geadas.

Por isso, produzir alimentos com base em boas práticas de sustentabilidade ambiental e econômica é uma necessidade de qualquer produtor rural que deseja prosperar na atividade.

De acordo com um estudo recente da IBV (Institute for Business Value), vinculado à IBM, 84% dos consumidores apontaram a sustentabilidade ambiental como ‘moderadamente importante’.

Com rastreabilidade, alimentos são monitorados desde o campo
Com rastreabilidade, alimentos são monitorados desde o campo (Foto: Pixabay)

Assim, a rastreabilidade no agronegócio é uma ferramenta importante para a comprovação de práticas socioambientais e da segurança alimentar junto à sociedade.

Ao mesmo tempo, serve também como aliada para agregar valor aos alimentos e obter maiores lucros com a produção.

A rastreabilidade dos alimentos

A rastreabilidade na agricultura, no Brasil, é feita com base na INC nº2/2018, criada pelo Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) e Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

O objetivo central da rastreabilidade da INC é o monitoramento e controle de resíduos de agrotóxicos em vegetais frescos destinados à alimentação humana, nacionais e importados.

Caminhos da rastreabilidade
Caminhos da rastreabilidade (Ilustração da CNA Brasil

Assim, a norma prevê um conjunto de procedimentos que permitem verificar a origem e movimentação de um produto ao longo da cadeia produtiva. 

Isso é possível a partir do registro das informações em documentos que as autoridades públicas podem consultar.

Com o controle detalhado, é possível determinar, por exemplo, a época do plantio, o local, época da colheita, o produtor, processador/beneficiador/, distribuidor e o vendedor.

Em resumo, a INC nº 2/2018 versa sobre o monitoramento do nível de resíduos de agrotóxicos na produção de frutas, hortaliças, legumes, raízes, bulbos e tubérculos.  

Conforme a INC nº 2/2018, o prazo para implementação das regras é gradual e varia por grupo de alimentos, mas todas elas já venceram o prazo, conforme o quadro:

Quadro com prazos por cadeia produtiva
Quadro com prazos por cadeia produtiva (Fonte: Governo Federal)

Pela INC nº 2/2018 é o próprio Mapa e a Anvisa, que devem realizar a fiscalização das regras da normativa e cada ente da cadeia produtiva, em todas as etapas devem assegurar a rastreabilidade.

Além disso, vale destacar que três elementos são fundamentais no processo de rastreabilidade:

  • O caderno de campo;
  • A etiqueta de identificação do produto; 
  • Os registros de troca de propriedade da mercadoria, acompanhados da Nota Fiscal. 

Os registros para assegurar a rastreabilidade devem conter, no mínimo, as informações obrigatórias, dispostas no quadro abaixo:

Todas essas informações devem ser registradas
Todas essas informações devem ser registradas (Fonte: Governo Federal

Além disso, essas regras valem para os seguintes casos:

  • Estabelecimentos que compõem a etapa de produção;
  • Estabelecimentos que beneficiam ou manipulam produtos vegetais frescos;
  • Demais etapas da cadeia produtiva (transporte, armazenamento, consolidação e comercialização).

Rastreabilidade na pecuária

No setor pecuário do Brasil, as regras da rastreabilidade estão na Lei nº 12.097/2009. Elas valem para a cadeia produtiva das carnes de bovinos e búfalos.

Em resumo, a lei versa sobre formas de identificação dos animais junto ao Mapa para identificação do proprietário.

Assim, as marcações permitidas são a fogo, tatuagem ou qualquer outra marca permanente e auditável.

Contudo, as exigências do consumidor final com relação ao bem-estar dos animais têm feito com que a marcação a fogo ou tatuagem sejam cada vez mais algo do passado.

A Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) disponibiliza, inclusive, diversas tecnologias para rastreabilidade na pecuária.

Dessa forma, dentre os sistemas eletrônicos de identificação, estão os bolus, brincos e bottons e programas computacionais que registram o desempenho zootécnico e sanitário.

Para frigoríficos, há sistemas que leem os dispositivos de identificação dos animais e geram etiquetas para identificação das carcaças. E, a partir disso, é possível lê-las e gerar etiquetas para os cortes, ligando-os, assim, aos animais. 

Agri Trace

Não apenas para a agricultura, mas também para a pecuária, o Sistema CNA/SENAR, que reúne a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil e o Sistema Nacional de Aprendizagem Rural, disponibiliza o Agri Trace, um sistema de rastreabilidade.

A tecnologia funciona como um programa de certificação, com autorização pelo Decreto 7623/2011, que regulamenta a Lei nº 12.097/2009. 

O programa permite ao participante agregar valor à sua produção por meio da certificação, com impacto positivo para toda a cadeia produtiva, tendo em vista que o consumidor final comprará um produto com origem garantida.

Assim, todo o percurso da carne pode ser observado por meio de um leitor de QR Code.

Conclusão

A rastreabilidade no agronegócio é de grande importância para a comprovação das boas práticas agrícolas, o que favorece também a agregação de valor aos produtos.

É importante lembrar que há regras para implantação da rastreabilidade na sua fazenda, independente de você trabalhar com agricultura ou pecuária.

As tecnologias oferecidas pela Embrapa e o uso do blockchain podem ser uma boa alternativa para você modernizar seus processos produtivos.

A implantação da rastreabilidade exige que você contrate uma empresa especialista no tema, para emissão de certificado.

Assim, você terá muito mais chances de fechar negócios que tragam mais lucros.

Mostrar mais

Mário Bittencourt

Jornalista e pós-graduado em Agricultura de Precisão.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo