Pragas e Doenças

Principais pragas da citricultura

A citricultura é um dos agronegócios de maior importância econômica no Brasil e no mundo. Existem muitos tipos de citros, que nem todo mundo conhece, como:  os limões, limas-ácidas, tangerinas, pomelos e toranjas. Porém, a laranja é produto cítrico que tem mais destaque. 

O Brasil é responsável por mais de 60% da produção mundial de suco de laranja. Para a safra 2019/2020, a estimativa de produção é de 385 milhões de caixas de 40,8 kg de laranja, segundo o Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus). 

A cada 5 copos de suco de laranja consumidos no mundo, 3 são de suco de origem brasileira

Além de ser destaque no agronegócio, a citricultura também é responsável por gerar milhares de empregos direta e indiretamente. Em 2019 a citricultura brasileira gerou 26,17% dos empregos, isso corresponde a cerca de 48.200 admissões de acordo com a Secretaria do Trabalho. 

No entanto, a produção de citros é constantemente afetada por mudanças climáticas e diversos problemas fitossanitários, como pragas, que muitas vezes transmitem doenças causadas por fungos, bactérias e vírus. 

Para evitar uma possível queda na produtividade é necessário saber identificar a presença dessas pragas e realizar o manejo correto em cada situação. Por isso, vamos mostrar aqui algumas das principais pragas da citricultura, como identificá-las e as formas mais eficientes de controlá-las. 

Identificando pragas da citricultura 

Ácaro

Os ácaros são minúsculos aracnídeos não visíveis a olho nu, que causam evidentes prejuízos aos pomares. Os ácaros são pragas cosmopolitas, ou seja, se alimentam de diversas plantas e em alguns casos são responsáveis por transmitir doenças. 

Nos citros, os ácaros que causam mais danos são:

Ácaro da falsa ferrugem (Phyllocoptruta oleivora): 

Principais características:

  • Uma das pragas mais frequentes da citricultura mundial
  • Ataca toda as variedades comerciais de citros
  • Disseminação é realizada principalmente pela ação dos ventos
  • Maior incidência com o aumento da umidade do ar, que coincide com o florescimento das plantas
  • Encontrado em folhas novas e frutos em formação

Sintomas:

  • Folhas com manchas escuras com formato irregular na superfície
  • Frutos com coloração escura prateada que segue para uma coloração de ferrugem
Imagem: Fruto exibindo danos causados pelo ácaro da falsa ferrugem
Fonte: Don Ferrin, Louisiana State University Agricultural Center, Bugwood.org

Controle:

  • Utilização de quebra-vento de espécies não hospedeiras de ácaros
  • Cobertura verde com mentrasto, planta-daninha que desfavorece o crescimento populacional do ácaro
  • Aplicação de acaricida quando o inseto for encontrado em mais de 20% do pomar para pomares de comercialização da fruta in natura, ou 30% de infestação para pomares de produção industrial.

Ácaro da leprose dos citros (Brevipalpus phoenicis): 

  • Maior ocorrência em período de seca e crescimento dos frutos
  • Vetor do vírus responsável pela Leprose dos Citros, considerada a maior doença virótica da citricultura
  • O ácaro adquire o vírus ao se alimentar de plantas previamente infectadas e passa a transmiti-lo 
  • A doença pode causar redução de 30 a 100% da produtividade 
  • Laranjeiras doces são altamente suscetíveis a esta doença, enquanto o tangor ‘Murcote’ apresenta resistência.

Sintomas: 

  • Quando livre de vírus, os sintomas causados pelo ácaro ao se alimentar das plantas são dificilmente identificáveis. 
  • Os sintomas causados pelo vírus aparecem após 17 dias da infecção
  • As folhas apresentam lesões cloróticas arredondadas e lisas. Pode provocar a queda; 
  • Os frutos apresentam mancha clorótica deprimida com pontos necróticos. 
  • Observa-se também a queda de frutos após aproximadamente 3 semanas da transmissão do vírus pelo ácaro

Sintomas de leprose nas folhas, ramo e frutos de laranja. Foto: Dr. Francisco Humberto Henrique

Controle:

Monitoramento da população do ácaro da Leprose no pomar com o uso de:

  • Quebra-vento ou cerca-viva com espécies não hospedeiras do ácaro
  • Introdução de predadores naturais do ácaro da leprose como Euseius concordis e Stethorus sp.
  • Desinfestação de equipamentos, veículos e caixas de colheita
  • Adquirir mudas sadias de viveiros certificados
  • Acaricidas devem ser pulverizados quando mais de 10% dos frutos estiverem infestados com o ácaro.

Mosca das frutas

Os prejuízos na produtividade dos pomares em que ocorre o ataque da mosca das frutas pode chegar entre 30 a 50%. Embora existam diversas espécies desta praga, três são responsáveis pelos danos aos citros: a mosca do Mediterrâneo (Ceratitis capitata), a mosca sul-americana (Anastrepha fraterculus) e a mosca-da-mandioca (Neosilba spp.).

As fêmeas da mosca perfuram a casca do fruto e colocam seus ovos. As larvas que se desenvolvem dentro dos frutos se alimentam da polpa, inviabilizando o consumo.

Moscas das frutas ovopositando em um fruto de laranja. Disponível em: https://gd.eppo.int/taxon/CERTCA/photos#

Sintomas:

  • Coloração marrom ao redor do orifício causado pelas moscas nos frutos 
  • Nos orifícios formados na superfície do fruto pelas moscas ocorre o apodrecimento, devido a presença de bactérias, que resulta na queda do fruto.  

Recentemente, segundo o Centro de Avanços em Economia Aplicada (CEPEA-USP), produtores relataram problemas com moscas das frutas em seus pomares o que pode implicar na redução de frutos de boa qualidade resultando no aumento do preço da laranja.

Controle:

  • Coletar frutos caídos e enterrar a aproximadamente 30 cm de profundidade
  • Monitorar as moscas por meio da utilização de armadilhas presas em ramos 
  • Utilizar iscas toxicas nas armadilhas de monitoramento ou, quando a população de moscas for alta, realizar o controle químico com inseticidas de cobertura total.

Cigarrinha

As cigarrinhas são insetos cosmopolitas sugadores que se alimentam da seiva das plantas. Mas o grande problema, nos citros, não é elas sugarem altos volumes de seiva, . A razão para esse inseto ser considerado praga na citricultura é porque algumas espécies da subfamília Cicadellinae que são capazes de transmitir a bactéria Xylella fastidiosa, causadora da doença Clorose Variegada dos Citros (CVC).  

A transmissão ocorre quando, ao se alimentarem de plantas previamente colonizadas pela bactéria, elas a adquirem e passam a transmiti-la ao se alimentarem de outras plantas. Esta doença afeta todas as variedades comerciais de laranja doce.

Imagem: exemplos de espécies de cigarrinha capazes de transmitir Xylella fastidiosa 

Disponível em: Fundecitrus https://www.fundecitrus.com.br/doencas/cigarrinhas

Sintomas da CVC:

  • Manchas pequenas e amareladas na superfície de cima das folhas
  • Frutos endurecidos, pequenos, com amadurecimento precoce, sendo impróprios para a comercialização. 

Imagem: sintomas severos de Clorose Variegada dos Citros (CVC).Disponível em: https://gd.eppo.int/taxon/XYLEFA/photos

Controle:

Ainda não se conhece uma maneira de controlar a bactéria, desta forma o manejo da CVC é realizado através dos seguintes passos:

  • Adquirir mudas sadias, livres da bactéria, de viveiros certificados. 
  • Em caso de sintomas iniciais de CVC, os ramos sintomáticos devem ser podados. 
  • Quando os sintomas estiverem avançados, deve-se realizar a erradicação da planta.
  • Controle da população de cigarrinhas: Em pomares com plantas de até três anos o uso de inseticida deve ser usado de forma preventiva em período de chuvas. Em plantas de mais de 4 anos o controle químico deve ser realizado quando uma em cada 10% das plantas vistoriadas apresentarem cigarrinhas.   

Psilídeo Diaphorina citri:

Os psilídeos são insetos que se alimentam da seiva de plantas como murtas e toda as variedades de citros. Assim como as cigarrinhas, os danos econômicos diretos causados pela alimentação deste inseto são mínimos, no entanto o psilídeo Diaphorina citri é o vetor da bactéria Candidatus Liberibacter spp, causadora do greening (huanglongbing/HLB), 

O greening é, atualmente, a doença de maior impacto econômico da citricultura mundial. 

Insetos adultos que se alimentam de plantas doentes adquirem a bactéria e passam a transmiti-la para outras plantas sadias. Insetos que se desenvolvem em plantas doentes aumentam a sua capacidade de transmissão da doença. O número de plantas doentes, em um levantamento realizado pelo Fundecitrus em 2019 nos estados de SP e MG, foi de aproximadamente 37 milhões de árvores, quase 5% maior que o número apresentado no ano anterior.

Imagem: Diaphorina citri, psilídeo transmissor do greening. disponível em: https://gd.eppo.int/taxon/DIAACI/photos

Sintomas da doença:

  • Sintomas mais evidentes ao final do verão e início da primavera
  • -Ramos com folhas amareladas quando jovens
  • Folhas maduras apresentam manchas irregulares verdes e amarelas na superfície e sem simetria entre as duas metades. 
  • Queda das folhas afetadas dando origem a brotações de folhas curvadas verticalmente 
  • Frutos com amadurecimento precoce, pequenos, amarelados e assimétricos.  
  • árvores novas afetadas não produzem frutos 
  • árvores adultas em produção sofrem queda prematura dos frutos e morrem com o tempo
Imagem: Sintomas de greening em folhas e frutos de laranja. 
Disponível em: https://gd.eppo.int/taxon/DIAACI/photos

Controle do inseto:

  • Antes do plantio deve-se aplicar inseticida sistêmico de 1 a 5 dias antes da muda ser entregue
  • Pulverização de inseticidas sistêmico e de contato em aplicações que variam com a idade das plantas do pomar.
  • Manejo intensificado nos primeiros 100 a 200 metros da divisa do pomar, uma vez que a incidência de insetos provindos de outros pomares é muito maior na faixa de borda.
  • Monitoramento do psilídeo através de armadilha adesivas
  • Controle biológico: o parasitoide Tamarixia radiata é uma pequena vespa que utiliza as ninfas do psilídeo para se reproduzir. Elas depositam seus ovos embaixo das ninfas do inseto, e quando crescem, as larvas de Tamarixia radiata se alimentam destas ninfas.

O controle da doença é realizado por meio de técnicas de manejo integrado de pragas (MIP), uma vez que ainda não se conhece uma forma de combater a bactéria.  Recomendações de evitar o plantio em locais com alta incidência de greening, plantio de mudas sadias vindas de viveiros certificados, constante inspeção dos sintomas e erradicação de plantas sintomáticas, devem ser seguidas para evitar grandes prejuízos causados pela doença.

Estas foram apenas algumas das principais pragas encontradas em pomares de citros. Conhecer as ameaças e realizar um manejo eficiente é essencial para reduzir custos e aumentar a produtividade nas lavouras. 

Inteligência no manejo

Conte com a tecnologia Agrosmart para te ajudar a realizar as melhores escolhas, construindo uma estratégia sólida para atuar em sua lavoura. Considerar condições climáticas e predição de doenças com o suporte da inteligência de nossas ferramentas facilita muito o manejo e controle dessas adversidades. 

Para saber como podemos te ajudar, cadastra-se:

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo