Clima e TempoIrrigaçãoTecnologia

O Uso da Água na Cultura de Soja

A produção brasileira de soja cresce a cada ano. Na safra 2018/2019 foram produzidas 115 milhões de toneladas do grão. Esse montante posiciona o Brasil como segundo maior produtor da oleaginosa no mundo. Para a próxima safra, de 2019/2020, a projeção da produtividade chega a mais de 120 milhões de toneladas, de acordo com pesquisa da Reuters realizada com 12 consultorias e instituições.

cultura de soja

Para termos alcançado todo esse potencial produtivo, além de cultivares de alta performance, tecnologias disruptivas, e um bom manejo realizado pelos agricultores, a cultura da soja sempre exigiu uma boa disponibilidade de água.

Durante todo o seu ciclo, a planta de soja necessita de
450 a 800 mm de água.

Sendo assim, seja na cultura de sequeiro, ou área irrigada, a oferta de água durante todo o ciclo da planta precisa ser equilibrada nos diferentes estádios da cultura.

Nesse contexto, é importante entender quais fatores contribuem para a utilização mais otimizada desse recurso natural, mapeando iniciativas estratégicas para atender as necessidades da cultura de forma sustentável e rentável. 

Influência da água do solo na cultura de soja

A disponibilidade de água no solo depende de diversos fatores, como: 

  • Textura do solo. 
  • Porosidade. 
  • Teor de argila. 
  • Matéria orgânica. 

Esses fatores determinam como ocorre a retenção de água no solo e seu escoamento, seja pela superfície ou pelo interior do solo. A variação entre esses fatores resulta em uma maior ou menor disponibilidade de água, impactando no desenvolvimento das plantas.

Variáveis do território brasileiro

A produção brasileira de soja se estende por quase todo o território nacional, desde a região sul até o norte do país. Apenas sete estados brasileiros não produzem a oleaginosa. Com toda essa faixa de plantio, as condições hídricas das regiões produtoras variam muito.

Considerando que a maior parte dos agricultores produzem o grão como cultura de sequeiro – ou seja, dependem da chuva para molhar suas lavouras – os desafios durante o ciclo da soja são muitos.

Períodos de veranicos em estádios de desenvolvimento das plantas – momentos em que a água é essencial -, ou chuvas em grande quantidade quando as plantas precisam estar em um ambiente mais seco, causam sérios prejuízos aos produtores. 

De modo geral, a falta de umidade do solo impacta diretamente em perda de produtividade. Entre os elementos que influenciam nessas perdas estão:

  • A cultivar de soja escolhida e seu ciclo.
    Que pode sofrer menor ou maior impacto em um momento crítico.
  • Época de plantio.
    Que vai definir o estádio da cultura durante uma situação climática adversa.
  • A fase de desenvolvimento das plantas.
    Que podem precisar de mais ou menos água em períodos críticos.

Disponibilidade de água durante o desenvolvimento da cultura de soja

A planta de soja necessita de 450 a 800 mm de água durante todo o seu ciclo – em média 620 mm. O volume de água exigido pela planta depende muito da cultivar escolhida para o plantio e, consequentemente, da duração do seu ciclo. 

Números reais: para cada grama do grão de soja produzido, são necessários dois litros de água.

No entanto, a cada estádio de desenvolvimento da cultura, a necessidade de água varia. Alguns estádios são mais exigentes, enquanto em outros, não pode haver uma grande oferta de água para as plantas.

Períodos críticos para o desenvolvimento da cultura de soja

A germinação-emergência das plântulas e floração-enchimento de grãos são os dois períodos em que a disponibilidade de água é mais crítica. A oferta de recursos hídricos nesses estádios pode influenciar bastante na produtividade da lavoura – positivamente ou negativamente.

 A água na germinação das sementes e emergência da cultura da soja

No período entre a germinação das sementes e a emergência das plântulas, tanto o excesso, quanto a falta de água prejudicam a uniformidade da lavoura, acarretando em perda na população de plantas.  

Após o plantio, a semente de soja precisa absorver cerca de 50% da sua massa em água para assegurar boa germinação.

Situações onde a cultura da soja sofre com falta de água durante a emergência, fazem com que as plantas fechem seus estômatos como mecanismo de defesa. Isso ocorre para que a pouca água absorvida não seja perdida pela transpiração e continue dentro das plantas, para serem utilizadas nos processos metabólicos. 

cultura de soja

Como consequência, o fechamento dos estômatos e a alta radiação solar aumentam a temperatura interna das plantas, afetando todo o seu metabolismo e podendo prejudicar a produtividade da lavoura.

Estômatos: estruturas celulares que ficam na superfície das folhas e tem como função realizar as trocas gasosas da planta.

Impacto da falta de água no florescimento e enchimento dos grãos 

Como a planta de soja consegue sobreviver mesmo com menores quantidades de flores e vagens, em situações de déficit hídrico a planta pode abortar essas partes para conseguir se nutrir e continuar seu ciclo. 

Se o período de estiagem for mais longo, os prejuízos na produtividade podem aumentar. 

Sem água, o tamanho dos grãos pode ser menor ao fim da safra. Além disso, pode ocorrer o abortamento das vagens que a planta havia conseguido preservar em estádios anteriores. 

As plantas de soja necessitam, em média, de 7 mm de água por dia bem distribuídos durante todo o ciclo.

Consequências do excesso de água na cultura de soja


A necessidade de água na cultura da soja aumenta durante seu desenvolvimento. O ponto máximo é a fase de floração até o enchimento de grãos. Após esse período, a exigência da água passa a diminuir. 

Para gerar grãos de qualidade nessa etapa – em que as plantas atingem sua maior área foliar e maior altura – a cultura da soja atinge também sua maior taxa de fotossíntese, atendendo a demanda de substrato para a produção de flores, vagens e grãos.

Se nessa fase a lavoura é impactada por um período muito chuvoso ou dias muito nublados, a disponibilidade de radiação solar diminui, fazendo com que a planta não atinja seu potencial fotossintético necessário

O excesso de chuvas a partir do final do enchimento dos grãos e maturação das vagens é tão crítico, que a alta umidade pode causar impactos nas plantas e nas operações do agricultor, como:

  • – Germinação dos grãos ainda dentro das vagens. 
  • – Abertura das vagens, facilitando o surgimento de fungos nos grãos (grãos ardidos).
  • – Ataques de pragas, como percevejos e besouros. 
  • – Nos períodos de colheita, as chuvas podem atrasar a entrada das máquinas na lavoura. 
  • – A alta umidade pode ocasionar embuchamento das máquinas, patinagem dos tratores e uma série de outros problemas operacional.

Predição das condições climáticas e planejamento do uso da água na cultura da soja

Em algumas regiões, ou em anos em que as condições climáticas não são favoráveis para a cultura da soja, o produtor se vê com a necessidade de corrigir o fornecimento de água para as plantas. Quando possível, o produtor opta por irrigar sua lavoura, fazendo com que a demanda de água da cultura seja suprida. 

A irrigação é uma tecnologia utilizada para atender, principalmente, a demanda crescente pela produção de alimentos de forma sustentável. No entanto, o uso dessa ferramenta precisa ser planejado, o que exige um bom monitoramento e manejo da lavoura, além de uma boa gestão de todo o sistema que envolve diversas outras práticas agronômicas. 

A irrigação, quando bem planejada e instalada adequadamente, pode trazer muitos benefícios ao produtor: 

  • Aumento da produtividade.
  • Melhora da qualidade e padronização dos produtos agrícolas.
  • Abertura de novos mercados.
  • Diminuição dos custos de produção e maior rentabilidade.
  • Aumento da diversidade de culturas.
  • Modernização dos sistemas de produção, introduzindo novas tecnologias na produção agrícola.

Irrigar não é apenas jogar água no solo

Saber o momento certo de irrigar e utilizar informações de predição das condições climáticas são fundamentais para o uso racional da água e utilização eficiente dos sistemas de irrigação. 

cultura de soja

Com a introdução da agricultura 4.0 nas lavouras brasileiras, ferramentas digitais como a Agrosmart fornecem para o agricultor previsões assertivas das possibilidades de chuva, além de apresentar indicadores no caso da aproximação de um longo período de estiagem. Esse tipo de inovação tornou mais simples e rápida a tomada de decisão do agricultor, que hoje consegue adotar a medida correta, no momento certo, e com maior segurança. 

Os sistemas inteligentes, que utilizam sensores e imagens de satélite são aliados do produtor que busca o melhor manejo da cultura e a otimização dos custos de produção. Ao monitorar a lavoura, de forma adequada, é possível regular a necessidade hídrica real da planta, aumentando assim os ganhos de produtividade e reduzindo os custos operacionais e desperdícios.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo