Irrigação

3 formas de fazer o manejo da irrigação na lavoura

O manejo da irrigação consiste na determinação do momento, da quantidade e de como aplicar a água na plantação, levando em consideração outros aspectos do sistema produtivo como o controle fitossanitário, as condições meteorológicas, econômicas e as estratégias de condução da cultura.

A forma como o manejo da irrigação é feito varia de acordo com a metodologia escolhida. Grande parte dos produtores irrigantes fazem o manejo de forma simples e sem o auxílio de equipamentos. O manejo da irrigação feito no “olhômetro” ou no “bico da bota” resultam em desperdício de água e aumento de custos. Além disso, a produtividade da lavoura é comprometida, devido ao excesso ou falta de água disponível para a planta.

Existem três processos de manejo de irrigação: processos baseados nas condições atmosféricas, nas condições de umidade do solo e nas condições de água na planta. Pode ser feito também o manejo integrado, que recomenda a irrigação baseado nas condições da atmosfera e do solo, conjuntamente.

Manejo da irrigação integrado: via solo e atmosfera

Indicado para: todos os sistemas de irrigação e tipo de cultura.

Vantagens: maior precisão na detecção do momento das irrigações e auxilia na adequação da lâmina de irrigação, pois toda a irrigação é feita com base na evapotranspiração e é monitorada pelos sensores de umidade instalados no solo.

Desvantagens: a viabilidade de implantação do sistema pode restringir áreas muito pequenas de determinadas culturas.

Nesse sistema de manejo, são coletados dados tanto do solo como do clima, que são relacionados com o estágio fenológico da cultura, de forma a gerar a recomendação mais precisa, como a exata quantidade de água necessária em todos os momentos do crescimento e desenvolvimento da cultura.

Por sua coleta de variáveis de diferentes fontes, possui maior precisão na geração de informações. Esse é o sistema mais avançado em termos de tecnologia e informação disponível atualmente, tornando-se um fator primordial no sucesso dos empreendimentos agrícolas.

slide1

Manejo da Irrigação via solo:

Indicado para: todos os tipos de irrigação e culturas, porém é mais indicado para irrigação localizada, onde os sistemas mais utilizados são o gotejamento e a microaspersão. Nestes tipos de irrigação o turno de rega é mais frequente e costuma-se manter a umidade próxima a capacidade de campo com maior constância, mantendo ar nos macroporos do solo.

Vantagens: condiciona o solo a manter-se com teor de água adequado favorecendo o desenvolvimento da cultura, além de não interferir nos tratos fitossanitários.

Desvantagens: este método é mais dependente de uma curva de retenção , que irá indicar o volume correto que cabe em cada tipo de solo. Nesta opção, não há o registro de dados meteorológicos, que também são importantes para uma boa gestão do manejo da irrigação.

Com a implantação de equipamentos direto no solo, pode-se medir a disponibilidade hídrica para as plantas. A capacidade de retenção hídrica de um solo é conhecida como Capacidade de Água Disponível (CAD), que considera um limite máximo onde há água não está sendo perdida por percolação e um limite mínimo onde a água está tão aderida aos poros dos agregados do solo que é indisponível para as plantas. O ponto máximo é chamado de Capacidade de Campo (CC) e o ponto mínimo de Ponto de Murcha Permanente PMP).

Agua facilmente disponível
Agua facilmente disponível

Antes de implementar esse tipo de manejo é necessário conhecer as características físico-hídricas do solo. O solo possui características que indicam a sua capacidade em reter a água no solo. Isso é importante para o balanço hídrico de irrigação, pois com essa capacidade temos o máximo de água que podemos irrigar e o momento certo. Essas características são obtidas com a curva característica de água no solo, que é determinada por uma amostra de solo enviada a algum laboratório de física do solo.

Curva de retenção de água no solo.
Curva de retenção de água no solo.

Com essa curva obtemos; a máxima capacidade do solo reter água é chamada de capacidade de campo (CC), e o ponto de murcha permanente (PMP) é o teor de umidade no qual a planta não consegue mais retirar água do solo. De maneira simples, podemos definir a CAD como o “tamanho do reservatório” de água a ser consumida pelas plantas e que deverá ser reposta pelas irrigações.

A utilização de tensiômetros ainda é o método mais utilizado para medição de umidade de solo no Brasil, porém esse método possui algumas limitações. Dentre suas principais limitações, estão a complexidade em realizar instalações corretas e necessidade de frequentes manutenções, visto que acontece um acúmulo de ar na cavidade da cápsula porosa. Outra desvantagem significativa é a falta de automação, sendo necessário leituras manuais diárias do instrumento. Isto consome muito tempo e prejudica as aferições.

O uso de sensores de umidade de solo de leitura automática torna possível a obtenção de valores de umidade do solo em alta frequência, permitindo a evolução detalhada do comportamento da água no solo, bem como a avaliação do efeito de flutuações diurnas de temperatura na leitura de umidade do solo. Além disso são compactos e de baixa manutenção.

slide2

Via atmosfera:

Indicado para: todos os tipos de cultura e sistemas de irrigação, mas normalmente é mais utilizado em sistemas de irrigação por aspersão.

Vantagens: técnica bastante difundida, principalmente para grãos, que permite o monitoramento eficaz das condições meteorológicas na região e suas influências no consumo de água da planta através da evapotranspiração. Pode ser aplicado para várias culturas, em várias fases de desenvolvimento em um mesmo local.

Desvantagens: uso de muitos cálculos e fórmulas empíricas.

Esse manejo repõe a água perdida pela demanda atmosférica do dia ou de dias anteriores desde a última irrigação. A contabilização da quantidade de água que deve ser restituída para o solo é realizada pelo balanço hídrico.

O balanço hídrico considera todos os fluxos de água que entram e saem do volume de solo explorado pelas raízes. As componentes de entrada do balanço são a precipitação, a irrigação e o orvalho. O orvalho possui uma ordem de magnitude menor que o consumo diário de uma vegetação em locais úmidos,  em regiões ou épocas secas sua contribuição é desprezível em termos de suprimento de água para o cultivo. No entendo, a precipitação e irrigação são as principais componentes de entrada do balanço hídrico.

evapotranspiração
Ilustração: Evapotranspiração

As perdas de água por percolação profunda, escoamento superficial e subterrâneo e a evapotranspiração são as componentes de saída do balanço hídrico. As entradas e saídas do escoamento superficial e subterrâneo tendem a se compensar e podem ser desprezados. A percolação profunda expressa o excesso de água que penetrou no solo pelas chuvas ou irrigação. No entanto, a evapotranspiração é a principal componente de saída do balanço hídrico.

A determinação das necessidades hídricas da cultura é estimada com base nos valores de evapotranspiração associados com o coeficiente do cultivo (Kc), possibilitando determinar  a quantidade de água a ser suprida ao solo. O balanço hídrico para controle de irrigação considera as variáveis atmosféricas exigidas (radiação, vento, umidade e temperatura) para estimar a evapotranspiração, além da precipitação. Estes dados são coletados com a instalação de uma estação meteorológica na propriedade.

Estação meteorológica da Agrosmart. Envio de dados automáticos para a internet.
Estação meteorológica da Agrosmart. Envio de dados automáticos para a internet.

Antes de se aplicar essa forma de manejo de irrigação é necessário conhecer alguns aspectos fundamentais, como a fenologia da cultura, demanda hídrica da cultura e características físicas do perfil do solo.

slide3

Cultivo Inteligente

Muito além do manejo da irrigação, a Agrosmart criou uma forma de cultivo inteligente, que conecta o produtor à sua plantação.

Por meio de sensores no campo, dados meteorológicos, imagens de satélites e processamento de da dos ajudamos produtores rurais a tomarem melhores decisões no campo. Entregamos recomendações precisas sobre a irrigação, de acordo com a necessidade hídrica real da planta a cada momento de desenvolvimento. Torne sua irrigação mais rentável e sustentável, economizando energia ou combustível, água, mão de obra, e aumentando a produtividade da lavoura.

AG-0001-17-eBook_PFB-V03op01

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo