Administração

Conheça os Benefícios dos Selos e Certificações na Agricultura

Os selos e certificações na agricultura são de importância, pois, servem como garantia de qualidade e procedência dos produtos, o que beneficia toda a cadeia produtiva

Difícil imaginar uma empresa agrícola que não tenha hoje selos ou certificações, tendo em vista que elas são de grande importância para se inserir e se manter no mercado. 

Afinal, além de realizar boas práticas agrícolas, é preciso também comprovar a qualidade e a procedência do seu produto.

Porém, a obtenção de selos e certificações na agricultura não é algo fácil de se conseguir, mas quem as obtém não quer mais arriscar de perdê-las, pois são grandes os benefícios.

Há diversos tipos de selos e certificações em todo o mundo, algumas de alcance nacional e outras de nível global. Saiba mais sobre elas neste artigo. Boa leitura!

Qual a diferença entre selo e certificação agrícola?

Basicamente, o selo ou a certificação servirão para comprovar algo.

Um selo, geralmente, é desenvolvido por empresas particulares ou organizações privadas que costumam utilizar metodologias próprias, reconhecidas por órgãos públicos.

Um exemplo é o selo de qualidade da Organização ISO, referência mundial no mundo corporativo e com atuação também na área de produção de alimentos

É importante saber que um selo pode comprovar uma certificação ou ser a representação da própria certificação, seja ela agrícola ou de outro setor; isso vai depender de como trabalha o órgão/empresa pública ou privada que faz a certificação.

O Inmetro, do Governo Federal, utiliza um selo para comprovar a sua certificação.

A grande diferença é no tipo de selo ou certificação. Isso porque, alguns métodos e níveis de exigência para emissão do documento podem ser mais rígidos que outros.

Por isso, é importante pesquisar bem antes de contratar um serviço para emissão de selo ou certificação.

A sua escolha vai depender, primeiro, do tipo de produto com o qual você trabalha; e, segundo, qual tipo de mercado deseja atuar e comercializar o seu produto.

O selo ou a certificação servem como uma ponte entre o produtor/empresa agrícola e o mercado/consumidor final, já que garantem a procedência e a qualidade dos produtos.

No mercado de alimentos perecíveis, por exemplo, um dos selos mais conhecidos é o SIF (Serviço de Inspeção Federal), que tem também suas versões de nível estadual (SIE) e municipal (SIM).

O tipo de selo, neste caso, determina o limite de permissão para comercialização do produto, que pode vir também acompanhado de uma certificação que atesta se o alimento é de origem vegetal, animal, vegana ou orgânica, dentre outras.

Importância da certificação em diferentes culturas

Em um mundo que cada vez mais cobra transparência na produção de alimentos, atuar com produtos certificados, com garantia de procedência, qualidade e origem é uma obrigação.

As certificações são obrigatórias para quem deseja trabalhar, por exemplo, com exportação de alimentos.

A depender do país e do produto, é preciso ter mais de uma certificação, além daquela já solicitada pela agência de vigilância sanitária de cada país.

Conheça abaixo as certificações mais usadas de alguns produtos.

Certificação RTRS para a soja  

No Brasil, uma das certificações mais utilizadas na produção de soja é a da unidade brasileira da RTRS (Associação Internacional da Soja Responsável), feita desde 2012.

De acordo com a entidade, em 2020, a produção de soja certificada no Brasil chegou a 3,5 milhões de toneladas e na América Latina alcançou 4,4 milhões de toneladas.

O número de soja certificada RTRS ainda é pequeno, em comparação à produção de 2020, de 121,5 milhões de toneladas, contudo já mostra uma tendência importante do setor.

Ainda segundo a RTRS, um fator que tem impulsionado a compra da soja certificada é a pressão de acionistas das grandes empresas que compram estes grãos.

Tais pressões ocorrem devido a exigência por rastreabilidade dos alimentos e produção sustentável. Além disso, boa parte dessa soja se destina à ração de salmão, tilápia e camarão.

Certificações na agricultura: selo da certificação RTRS para a soja
Selo da certificação RTRS para a soja (Reprodução Food Business News)

A emissão da certificação RTRS para a produção de soja ocorre mediante cumprimento de 106 indicadores obrigatórios e de implantação progressiva, reunidos em cinco critérios:

  1. Cumprimento legal de boas práticas empresariais;
  2. Condições de trabalho responsáveis;
  3. Boas relações com a comunidade;
  4. Responsabilidade ambiental;
  5. Boas práticas agrícolas.

Créditos da RTRS para a soja

Para receber a certificação da RTRS, a soja deve ser auditada e verificada no estabelecimento agrícola, segundo critérios econômicos, sociais e ambientais.

A partir da certificação, o produtor recebe créditos equivalentes ao volume de produção de soja certificada — 1 tonelada de soja certificada RTRS equivale a 1 crédito.

Assim, organizações que querem apoiar a produção e abastecimento de soja responsável e equilibrar o impacto do consumo da soja podem adquirir estes créditos.

Certificações na agricultura: esquema de créditos RTRS para a soja
Esquema de créditos RTRS para a soja (Reprodução RTRS)

Atualmente, a RTRS do milho está em processo de validação, mas o processo de avaliação é semelhante ao da soja.

No Brasil, a certificação para sementes de milho recomendada pelo Governo Federal é a da da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Esta certificação é voltada para produtores de sementes e segue critérios rígidos para que a exportação seja viabilizada para todo o mundo.   

Principais certificações para a agricultura

Além do SIF e do ISO, relatados acima, há diversas certificações variados fins na produção agrícola, sobretudo se tratando de exportação.

Uma das mais famosas certificações, e mais completas, é a do GlobalG.A.P., que atende a diversos produtos, a exemplo de frutas e vegetais e da produção de café, cada vez mais em alta.

A certificação GLOBALG.A.P. garante aos produtores, fornecedores e compradores que a produção de alimentos da fazenda e das instalações atende às melhores práticas reconhecidas no mundo.

Ela é aceita em praticamente todo o planeta e sem essa certificação é bem mais difícil introduzir seu produto em algum país.

Outra certificação muito importante é a da FDA, que nos Estados Unidos é o equivalente à nossa Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Sem o selo da FDA, nenhum alimento pode entrar nos Estados Unidos. Além disso, dependendo do produto, ainda podem haver outras certificações.

Há também outras certificações também voltadas para produtos específicos, como os orgânicos e veganos.

A principal certificadora orgânica do mundo é a o IBD, com forte atuação no Brasil e aceita em praticamente todos os países.

Além do selo orgânico, o IBD tem também o selo biodinâmico, o vegano e de não OGM (organismos geneticamente modificados), além de selos socioambientais e de qualidade.

Conclusão

Em resumo, os selos e certificações na agricultura são essenciais para a garantia das suas práticas, sejam elas desenvolvidas no campo ou na empresa agrícola.

É importante se atentar que tais práticas devem estar sempre sendo revistas para que seja mantido o padrão de qualidade.

Além disso, mais que atender a mercados exigentes, os selos e certificações são ferramentas essenciais para a boa gestão da propriedade rural e da agroindústria.

Assim, por meio das boas práticas que são exigidas pelos selos e certificações você estará contribuindo não só para se desenvolver mais na sua atividade, com a conquista de novos mercados, como também contribuindo para uma agricultura mais sustentável. 

Mostrar mais

Mário Bittencourt

Jornalista e pós-graduado em Agricultura de Precisão.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo