Certificação de Frutas: Conheça as Principais!

Descubra quais são as principais certificações para a produção de frutas e saiba como elas podem agregar valor ao seu produto

A fruticultura brasileira ainda pode alcançar um amplo mercado internacional.

Afinal, o Brasil, apesar de ser o terceiro maior produtor de frutas do mundo, com cerca de 40 milhões de toneladas por ano, exporta apenas 2,5% da produção, ocupando o 23ª lugar no ranking mundial de envios.

E uma das principais formas de conquistar novos mercados é por meio da certificação das frutas, uma exigência cada vez maior dos países importadores.

Assim, veja a seguir quais são os principais tipos de certificação de frutas e como cada uma delas funciona. 

Qual a importância da certificação de frutas?

A principal importância da certificação para frutas é com relação à exportação. Isso porque, ela serve como verdadeiro passaporte para os mercados internacionais.

No Brasil, a certificação de frutas também têm crescido, sobretudo para atender as grandes redes varejistas, frequentadas por consumidores mais exigentes.

Assim, por meio da certificação, é possível comprovar várias características de uma fruta:

  • A região de produção, com as IGs (Indicações Geográficas);
  • O tipo de produção agrícola: orgânica, sintrópica, convencional etc;
  • A responsabilidade socioambiental e as boas práticas agrícolas;
  • Se a sua produção obedece às normas fitossanitárias;   

No caso da produção, seja convencional ou não, toda fruta produzida no Brasil (sendo destinada ou não à exportação) deve obedecer às normas de rastreabilidade para controle do nível de defensivos.

Além disso, dependendo do país comprador e do público consumidor, podem ser somadas outras exigências, como: padrão de tamanho e peso dos frutos e o tipo de embalagem.

De acordo com especialistas em certificação para frutas, o atendimento a essas exigências faz grande diferença na negociação com vistas à exportação.

Isso porque, a certificação traz uma diferenciação ao produto, o que pode fazer com que ele seja mais valorizado pelo comprador.

No Brasil, as certificações para a fruticultura são feitas, principalmente, pelo Governo Federal e empresas particulares.

Mas também há estados que emitem certificações e atestados ou certificados fitossanitários para o setor, como em Minas Gerais, Espírito Santo e Roraima, entre outros.

Mas qual a diferença entre uma certificação e um atestado/certificado fitossanitário? Acompanhe!

Certificação para frutas X atestado fitossanitário

A diferença é basicamente a amplitude da certificação para frutas em relação aos atestados ou certificados fitossanitários.

A certificação, além de garantir que a fruta atende aos requisitos de fitossanidade (livre de pragas, por exemplo), atesta também que ela é produzida seguindo determinados critérios de produção e qualidade.

Veja esses exemplos da certificação para frutas em Minas Gerais e do certificado fitossanitário de Roraima e do Espírito Santo.

Certificação de frutas

Em Minas Gerais, por exemplo, existe o Certifica Minas Frutas, programa de 2018, criado por meio da Portaria nº 1.860 para “promover a adoção de práticas sustentáveis, da rastreabilidade e da melhor qualidade das frutas”.

De acordo com o Governo de Minas, “a certificação oferece real possibilidade de ocupar novos mercados, inclusive o internacional, principalmente pela observância e adesão aos aspectos relacionados à produção sustentável”.

Certificação fitossanitária

Em Roraima e no Espírito Santo, os governos estaduais emitem a certificação fitossanitária.

É um documento que atesta a sanidade de um produto vegetal ou suas partes, com o objetivo de evitar a disseminação de pragas e é obrigatório para emissão de Permissão de Trânsito de Vegetais. Por meio dele também é possível realizar a rastreabilidade dos produtos.

Se tratando de exportação, o atestado fitossanitário por si só não é um documento suficiente para seguir com uma negociação internacional, mas representa um passo importante.

Assim, existem a CFO (Certificação Fitossanitária de Origem), emitida na unidade de produção (propriedade rural) e a CFOC (Certificação Fitossanitária de Origem Consolidada), que se origina da unidade beneficiadora, processadora ou embaladora.

Quais são as principais certificações para frutas?

Como comentado acima, as certificações para a fruticultura são feitas, principalmente, pelo Governo Federal e empresas particulares. Veja quais são elas!

Brasil Certificado

É o selo oficial da certificação de frutas e outros produtos agropecuários no país, emitido pelo Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento).

O Brasil Certificado é o selo de Produção Integrada Agropecuária, iniciada no Brasil com o Marco Legal da Produção Integrada de Frutas, em 2001.

Tem como foco a adequação dos processos produtivos para obtenção de produtos vegetais e de origem vegetal de qualidade, e com níveis aceitáveis de resíduos de defensivos e contaminantes. 

Global G.A.P.

Reconhecida em mais de 30 redes varejistas da Europa, é a principal certificação internacional utilizada no continente, onde é chamada Europe G.A.P.

Esta certificação abrange todas as cadeias de produção de frutas e vegetais, da pré-colheita ao manejo de solo e pragas, até os tratamentos pós-colheita e beneficiamento.

APHIS 

É o passaporte das frutas nos Estados Unidos, onde é exigido também liberação da FDA, equivalente à nossa (Anvisa) Agência Nacional de Vigilância Sanitária. 

O certificado APHIS (Serviço de Inspeção Sanitária de Animais e Vegetais) engloba regulamentos sanitários, fitossanitários e de saúde animal.

Para frutas, pode apresentar normas específicas. A manga que sai do Vale do São Francisco, por exemplo, precisa ser mergulhada em água quente antes de ser embarcada para matar possíveis larvas da mosca-das-frutas. 

Outros

Outros selos internacionais que certificam boas práticas agrícolas são:

  • ISO14001: visa diminuir o impacto ambiental;
  • SA 8000: define o que é sistema de gestão social;
  • HACCP: auxilia na prevenção de contaminação dos alimentos, contra perigos biológicos, físicos e químicos.

Certificação de frutas e rastreabilidade caminham juntas!

Em fruticultura, a certificação e a rastreabilidade devem caminhar juntas, pois elas são passos importantes nas boas práticas agrícolas.

No caso das frutas, a rastreabilidade é um meio de promover a transparência nos negócios e comprovar a origem dos alimentos.

segurança do alimento e segurança alimentar: entenda a relação entre a rastreabilidade e a segurança do alimento
Caminhos da rastreabilidade (Ilustração da CNA Brasil

Por isso, é preciso aprimorar e modernizar cada vez mais a gestão da sua fazenda ou empresa agrícola, o que pode ser feito por meio de um caderno de campo digital, em substituição ao de papel.

E uma das formas de você comprovar que realiza de maneira eficaz a rastreabilidade na sua produção é por meio de um processo de certificação. 

Assim, a rastreabilidade proporcionará o controle logístico, enquanto a certificação trará a padronização, melhoria dos processos internos, o estabelecimento da marca e o aumento da competitividade no mercado.     

Conclusão

A certificação para frutas traz uma grande oportunidade de expansão dos negócios e, com isso, maiores chances de aumento na rentabilidade da atividade agrícola.

Mas, ela deve ser feita após análise criteriosa sobre quais são os mercados-alvo de cada produto.

Isso porque, existem várias certificações capazes de atender as mais diversas frutas. Assim, conhecer o mercado em que se está inserido e aquele que se busca alcançar é indispensável!

Mostrar mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo