Ícone do site Agrosmart-Blog

O uso da tecnologia para uma cafeicultura mais sustentável

cafeicultura sustentável

Na cafeicultura, é cada vez mais importante o uso de tecnologia e técnicas inovadoras para se manter na atividade e atender à demanda por uma produção sustentável  

A cafeicultura brasileira tem passado nos últimos anos por grandes transformações, influenciadas, sobretudo, por um mercado consumidor global cada vez mais exigente.

E a lista de exigências, que não é pequena, só tende a crescer.

O consumidor quer um café sustentável, com mais qualidade, de origem comprovada, a preço justo e que seja produzido de forma transparente e que traga uma conexão, seja com o próprio consumidor ou entre o agricultor e a terra. 

Alcançar esses objetivos não é uma tarefa fácil: exige disposição para implantar novas formas de produção, baseadas no uso de tecnologias de agricultura de precisão e digital.

Para o Brasil, líder mundial na produção e exportação de café, e segundo maior consumidor da bebida, não há outro caminho a seguir, conforme você confere neste artigo. Boa leitura!

Qual o contexto da cafeicultura no Brasil?

A cafeicultura é uma das principais culturas agrícolas do Brasil, de grande importância tanto para o mercado interno quanto o externo, desde os mais simples aos mais sofisticados.

O café é o quinto item mais importante da pauta de exportações do país e a segunda bebida mais consumida no mundo – perde apenas para a água.

Cultivado no Brasil desde o século XVIII, a cafeicultura tem influenciado de várias formas a sociedade brasileira ao longo dos séculos, sobretudo a economia, a infraestrutura e a ciência.

As primeiras mudas de café do Brasil foram plantadas no Pará, vindas da Guiana Francesa e depois se estabeleceram em outros estados, sobretudo do Sudeste do país.

Atualmente, o Brasil é o maior produtor de café do mundo, sendo responsável por mais de 30% da produção global, estimada em 10,1 milhões de toneladas na safra de 2020/2021.

Ano passado, o país produziu o total de 2,9 milhões de toneladas (pouco mais de 30% a menos que a safra 2019/2020) e em 2022 espera-se uma safra de 3,5 milhões de toneladas.

A diferença de produção da safra para outra se dá por conta da bienalidade do café arábica (uma das espécies cultivadas no país) e dos impactos da seca. 

A produção da safra 2021/2022, que deve ficar 20% maior que a passada, foi muito prejudicada pelas geadas e excesso de chuvas, principalmente em Minas Gerais.

Cafeicultura no Brasil

O produto da cafeicultura brasileira tem como destino 122 países. Estados Unidos (maior consumidor), Europa (Alemanha, Itália e Bélgica) e Japão são os maiores compradores. Já os principais concorrentes são Vietnã, Colômbia, Indonésia e Honduras.  

Em 2021 foram exportadas 2,5 milhões de toneladas do café brasileiro, com a uma receita de US$ 6,2 bilhões, de acordo com o Cecafé (Conselho dos Exportadores de Café do Brasil). 

Espécies de café produzidas

No país são produzidas as espécies de café arábica (Coffea arabica) e conilon (Coffea canephora), também conhecida como robusta.

Segundo a Embrapa Café, a cafeicultura no país tem, no total, 1,82 milhão de hectares plantados: 1,43 milhão de hectares com a espécie arábica e 389,1 mil hectares com o conilon. 

A produção nacional (dados da safra 2020/2021) está concentrada nos estados de:

  1. Minas Gerais: 1.343.980 toneladas de café arábica e 15.848 toneladas do conilon;
  2. Espírito Santo: 155.234 toneladas do arábica e 686.126 toneladas do conilon; 
  3. São Paulo: 258.900 toneladas de café arábica e 88 toneladas de conilon;
  4. Bahia: 74.000 toneladas de café arábica e 133.000 de conilon; 
  5. Rondônia: 171.348 toneladas de café conilon (não produz arábica);
  6. Paraná: 52.600 toneladas de café arábica (não produz conilon). 

Vê-se, pelos dados, que a produção de café arábica é produzida, em sua maioria, pelo estado de Minas Gerais e o de conilon pelo estado do Espírito Santo.

Importante destacar que as lavouras de conilon estão se expandindo para o Centro-Oeste, onde já há produção no estado de Mato Grosso, com 6 mil toneladas em 2021.

Em 2021, o mundo produziu 5,9 milhões de toneladas de café arábica (59% da produção global). Já a produção do conilon ficou em 4,1 milhões de toneladas do conilon, o equivalente a 41% da safra global.

A cafeicultura no Brasil: características do café arábica

Originário da Etiópia, o café arábica se destaca muito pelo seu sabor (suave, baixa acidez, adocicado) e aroma diversificado, podendo variar conforme a região de cultivo, em locais com altitudes entre 600 e 1.000 metros acima do nível do mar.

Quanto mais alto o local, melhor, pois favorece a concentração de minerais nos grãos e ao desenvolvimento da planta, por conta do clima mais ameno. 

A espécie arábica tem uma característica única chamada bienalidade, na qual em um ano tem boa produção e no ano seguinte baixa produção.

Daí a diferença relativamente grande entre os dados da produção de café no país, na comparação entre a safra de 2021 (ano de bienalidade negativa) com a estimativa da safra de 2022 (de bienalidade positiva), relatada acima.

Por conta das suas especificidades, o café arábica possui grande demanda dos mercados internacionais, sobretudo os mais exigentes por qualidade, que buscam o café do tipo especial ou gourmet.

Estima-se que a produção nacional dessa espécie de café deve ficar em 2,3 milhões de toneladas na safra 2021/2022 (produtividade de 30,6 sacas de 60 kg por hectare). 

No mercado internacional, o preço do café arábica é regulado pela Bolsa de Nova Iorque. 

A cafeicultura no Brasil: características do café conilon

O café conilon se diferencia em diversos aspectos do arábica.

Uma das principais características do conilon é o teor de cafeína, geralmente de 2,2%, enquanto o arábica chega a 1,2%. Por isso, o café conilon possui sabor mais amargo.

O café conilon é conhecido também como “café atlântico” por ser cultivado em áreas de menor altitude, geralmente abaixo de 800 metros acima do nível do mar.

Por outro lado, é mais produtivo que o arábica e não passa pela bienalidade da produção.

No Brasil, o conilon deve alcançar 1,02 milhão de toneladas produzidas na safra 2021/2022 (produtividade de 43,6 sacas por hectare). Seu preço, no mundo, é regulado pela Bolsa de Londres.

Variação dos preços do café arábica (US$/ton) e conilon (US¢/lb) (Fonte: Stonex)

Quem produz café no Brasil? 

No Brasil, segundo o CNC (Conselho Nacional do Café), há 330 mil produtores de café, 78% deles pequenos produtores da agricultura familiar.

A pesquisa Safra Cafeeira 2021/2022, do CaféPoint e da CNA (Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária), aponta que 93% dos cafeicultores do Brasil têm propriedades com menos de 50 hectares, sendo 80% com áreas menores que 20 hectares.

A cafeicultura brasileira, neste sentido, é em sua grande maioria constituída por produtores da agricultura familiar, muitos dos quais buscam também praticar uma agricultura de baixo carbono, com preservação do meio ambiente.

Essas práticas são de grande importância não só para a cafeicultura em si, mas para o agronegócio no Brasil, que vem sendo cobrado cada vez mais por práticas sustentáveis.

Como funciona a produção de café?

A produção de café exige cuidados que devem ser feitos de forma regular, pois a forma como a planta é manejada, sobretudo nos primeiros anos, impacta em todo o ciclo de vida.

Por isso, recomenda-se, logo no início, a escolha de mudas de café certificadas e selecionadas para ter boa produção, de acordo com a região da área de plantio.

Os cuidados iniciais devem ocorrer também com a nutrição do solo, o qual deve passar por análises a cada safra para reposição dos nutrientes que a planta precisa.  

O cafeeiro é uma planta perene (dura até 25 anos) que tem o seu ciclo fenológico (de desenvolvimento) dividido em seis fases.  

Duas fases vegetativas:

Quatro fases reprodutivas::

Ainda na lavoura, o manejo do café envolve também os cuidados com pragas (broca, bicho-mineiro, ácaro vermelho, cigarrinhas) e doenças (nematóides, ferrugem, cercosporiose, manchas de phoma, ascochyta, areolada e anular).  

Em áreas irrigadas é preciso ter cuidado especial na época mais seca (outono/inverno), pois a planta precisa sofrer um estresse hídrico para desenvolver as gemas florais. 

Esse cuidado se faz necessário para que o cafeeiro tenha uma florada uniforme, o que poderá resultar também em uma maturação mais uniforme dos frutos e economia de custos com a colheita. 

Após colhido, o café passa pelos processos de lavagem, seleção, despolpamento, secagem, torrefação, classificação, empacotamento e moagem.

Conforme a finalidade da produção (café comum, especial ou gourmet), pode haver manejos específicos, a exemplo da fermentação e uso de equipamentos tecnológicos.   

Quais os desafios para a cafeicultura?

Em meio a secas prolongadas, geadas, excesso de chuvas e aumento dos custos de fertilizantes por conta da guerra entre Rússia e Ucrânia, produzir café no Brasil não tem sido nada fácil. Não à toa, o preço do produto também tem sido um dos que mais sobem.

De acordo com a Pesquisa da Safra Cafeeira 2021/2022, os cafeicultores brasileiros têm entre seus principais desafios o estímulo à produção de café de qualidade e o acesso às novas tecnologias. O seguro rural e o crédito rural também são prioridades.

Demandas dos produtores de café (Fonte: Pesquisa da Safra Cafeeira 2021/2022)

O impacto das mudanças climáticas na cafeicultura e na cadeia de suprimentos do café

As mudanças climáticas têm gerado impactos diversos na agricultura mundial, com sérios problemas de escassez, o que impacta diretamente no aumento dos preços devido à baixa oferta.

As geadas que afetaram as lavouras de café no Brasil em 2021, por exemplo, dizimaram cerca de 200 mil hectares de áreas de produção em Minas Gerais. 

Por conta deste cenário, o café terminou 2021 com um dos maiores ganhos de preços entre as commodities, tendo o arábica subindo quase 80% e o conilon, 72,2%, segundo a Stonex.   

Recentemente, o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) divulgou que espera para a safra 2021/2022 excedente de 2,6 milhões de sacas de café (60 kg).

O relatório do USDA, no entanto, vai na contramão da maioria dos negociadores internacionais, que esperam um déficit na oferta, com grandes impactos na cadeia de suprimentos do café, que envolve os grãos torrado e moído, além dos solúveis.

O principal impacto é no café arábica, de qualidade superior ao conilon e muito utilizado, por exemplo, por grandes empresas vendedoras de cafés de qualidade, como a Starbucks.

Um estudo recente aponta que até 2050 haverá alterações significativas, para pior, nas condições de cultivo do café, por conta das mudanças climáticas, sendo as altas temperaturas a principal preocupação.

Com isso, se faz necessário, de forma urgente, a busca por alternativas para uma cafeicultura sustentável, com incentivos para uma agricultura de baixo carbono.

Estar atento a isto deve fazer parte de uma ação estratégica do agronegócio no Brasil para haver impactos positivos não só na produção agrícola, mas na preservação do meio ambiente.

Como está o mercado consumidor hoje? 

A cafeicultura no Brasil, nos últimos anos, tem sido bastante diversificada, com o aperfeiçoamento das técnicas para produzir cafés de qualidade (especial ou gourmet).

De acordo com o Euromonitor International, o brasileiro consome, em média, 826 xícaras por ano, ou ao menos 2 xícaras por dia.

Mas os mercados mais exigentes, no que se refere ao consumo, estão nos países mais desenvolvidos, onde empresas estão se adaptando para melhor atender a estes públicos.

O WCP (World Coffee Portal) destaca que consumidores e a nova geração de empresários millennials estão provocando mudanças na experiência de beber uma xícara de café.

Consumo de café

Os millennials querem cada vez mais excelência no produto, com aperfeiçoamento constante, e para isso usam muito as tecnologias.

A este movimento, o WCP chama de “5ª Onda”, que “não significa necessariamente que uma oferta precisa ser excessivamente cara, nem precisa ser expandida para centenas de pontos de venda”.

O conceito da 5ª Onda foi desenvolvido pela consultoria Allegra Strategies e refinado no Allegra World Coffee Portal após duas décadas de pesquisa e análise do setor cafeeiro.

A 5ª Onda é a culminação de todas as quatro “ondas” anteriores de desenvolvimento da indústria, conforme estabelecido no World Coffee Portal Stages of Coffee Industry Development Framework.

Evolução da 1ª a 5ª onda, elaborado pelo WCP (Fonte: wcp) 

Segundo o WCP, a 1ª Onda se refere ao consumo de café tradicional do século 20 e reflete diferentes culturas e geografias históricas.

A 2ª Onda é caracterizada pelo crescimento inicial de cadeias de marcas de estilo de vida, como a Starbucks Coffee Company, e a 3ª Onda pelo café artesanal. Já a 4ª onda pela “ciência do café”.

Cada época tem seus méritos e contribuiu significativamente para a profundidade e o crescimento do prazer do café”, destaca o WCP.

Oportunidades na cafeicultura

Diante de diversos fatores que influenciam diretamente na produção de café, é preciso estar atento às oportunidades de mudanças na forma de produção que vêm sendo desenvolvidas.

Dentre elas, está a agricultura regenerativa, incentivada por diversas empresas no país, muitas das quais estão de olho também no mercado de carbono, já que tais favorecem o sequestro do carbono da atmosfera. 

Empresas como a reNature, com mais de 10 anos de mercado, financiam projetos de agricultura regenerativa em áreas de produção de café arábica de Minas Gerais, e de produção agroflorestal nos estados do Amazonas, Pará e Pernambuco.

Outra estratégia de atuação importante, para maior destaque no mercado, é obter certificações, por meio das quais é possível comprovar a produção do café sustentável.

As certificações existem de vários tipos e finalidades, mas são essenciais para atuar com exportação. O café, por exemplo, tem sete tipos principais de certificações:

  1. Café Orgânico;
  2. Café de Origem;
  3. Café Fair Trade (comércio justo)
  4. Café Gourmet;
  5. Café Sustentável;
  6. Café Especial;
  7. Certificação/Selo Abic.    

Essas certificações são necessárias também para quem deseja atuar no mercado de cafés especiais ou gourmet, que tem trazido muita rentabilidade para produtores da agricultura familiar.

O café gourmet é aquele considerado quase livre de defeitos, com pontuação entre 7,3 e 10, conforme a OIC (Organização Internacional do Café). A principal certificação para esse tipo de café é dada pelo Cup Of Excellence.

Também valorizado no mercado, sobretudo por trazer características de regiões específicas de produção, o café especial, segundo o SCA (Speciality Coffee Association), possui pontuação mínima de 80, sendo que a escala vai de 0 a 100.

Em 2021, os cafés de qualidade superior ou com algum tipo de certificado de práticas sustentáveis, responderam por 19% das exportações.

No total, foram enviados ao exterior 7,669 milhões de sacas, com preço médio de US$ 207,53 por saca, o que gerou receita de US$ 1,591 bilhão – 25,5% do total exportado. Com isso, foi registrado crescimento de 23,4% em relação a 2020.

Como a tecnologia colabora para uma cafeicultura mais sustentável

O uso da tecnologia na produção de café já vem ocorrendo no Brasil e é uma demanda importante para os cafeicultores, conforme se observa na pesquisa do CaféPoint e da CNA, relatada acima. 

Diversas técnicas, sobretudo de agricultura de precisão, podem ser empregadas para melhor gerir a propriedade rural e reduzir custos e colaborar para a preservação do meio ambiente, a partir da otimização do uso de insumos e defensivos.

Por meio da agricultura de precisão, por exemplo, é possível, com o uso de um aplicativo gratuito (existem vários deles que podem ser baixados de graça na internet), mapear áreas mais produtivas da lavoura e identificar algum problema, como infestação de plantas daninhas ou incidência de doenças.

O uso de imagens de NDVI (Índice de Vegetação por Diferença Normalizada) é um exemplo de ferramenta importante para ser usada, sobretudo por pequenos produtores da agricultura familiar.

As imagens de satélite auxiliam a identificar com mais rapidez eventuais problemas na lavoura, o que favorece a uma ação mais rápida.

E com as mudanças climáticas, o monitoramento do clima é algo muito necessário de ser feito com mais eficiência, o que é possível por meio de uma estação meteorológica ou pluviômetro digital, por exemplo.

Outra ferramenta de enfrentamento das condições climáticas adversas é a própria irrigação. Mas, não basta apenas irrigar, é preciso saber também exatamente QUANTO e QUANDO irrigar. Para isso, um bom manejo da irrigação é essencial.

Agrosmart na Prática: histórias que não são causos | Café – Tecnologia e Experiência

Conclusão

O agronegócio no Brasil tem enfrentado, nos últimos anos, grandes desafios, sendo a cafeicultura um dos principais setores afetados, sejam pelas mudanças climáticas, oscilações de preço no mercado internacional ou de conflitos internacionais.

Ao mesmo tempo, os consumidores de café estão mudando cada vez mais de perfil, com exigências de consumo que vão ao encontro de uma sociedade que pensa um mundo mais sustentável, com uma agricultura de baixo carbono, com respeito ao bem-estar animal e as relações sociais com comunidades.

Neste sentido, se apropriar das tecnologias é o melhor caminho a se tomar, com vistas à uma cafeicultura que favoreça à sustentabilidade ambiental, econômica e social.

Sair da versão mobile